OPERADORES POLITICOS DO PREFEITO MUNICIPAL DE JUCHITAN, SAUL VICENTE VAZQUEZ, Y DO EX-PREFEITO, MARIANO SANTANA, AMEAÇAM DE MORTE EDUARDO TOLEDO OROZCO, MEMBRO DA AUTORIDADE COMUNITARIA DE ALVARO OBREGON, JUCHITAN, OAXACA.

Col. Álvaro Obregón, Juchitán, Oaxaca, 22 de janeiro de 2014.

Aos meios de comunicação

Às organizações sociais  

Aos organismos de Direitos Humanos

Aos povos indígenas        

À opinião pública nacional

OPERADORES  POLITICOS DO PREFEITO MUNICIPAL DE JUCHITAN, SAUL VICENTE VAZQUEZ, Y DO EX-PREFEITO, MARIANO SANTANA, AMEAÇAM DE MORTE EDUARDO TOLEDO OROZCO, MEMBRO DA AUTORIDADE COMUNITARIA DE ALVARO OBREGON, JUCHITAN, OAXACA.

A Assembleia Geral de Álvaro Obregón decidiu colocar barricadas para vigiar a entrada de pessoas estranhas e, no sábado passado, 18 de janeiro, uma camionete com três pessoas a bordo foi interceptada pela polícia comunitária. As pessoas que estavam no veículo se identificaram como Ernesto Sánchez Jiménez, Humberto Montaño Sánchez e Teresa Terán Veja. Disseram que iam realizar una reunião para designar os integrantes da autoridade de Álvaro Obregón como membros do partido PT-PRD, segundo indicações do prefeito municipal, Saúl Vicente Vázquez, que foi membro do Fórum Permanente das Nações Unidas para as Questões Indígenas, no período 2011-2013, no qual tratou de temas sobre Direitos dos Povos Indígenas.Ante a situação, o Conselho de Anciãos informou sobre os acordos firmados na Assembleia Geral de oito de dezembro de 2013: 1) a comunidade de Álvaro Obregón já tem suas autoridades comunitárias, eleitas pela maioria dos cidadãos da comunidade; 2) foi acordado não mais permitir a entrada de partidos políticos, que apenas se aproveitam e dividem a comunidade; 3) que não se reconheceria nenhuma outra autoridade que foi nomeada pelo prefeito e os partidos políticos.

Em represália a esta acontecimento, no dia 20/01/2014, quando o companheiro Eduardo Toledo Orozco (que forma parte da autoridade comunitária, encarregado dos assuntos de pesca) ia da Praça Central de Juchitán para o norte da cidade, pela rua 16 de Setembro, se deu conta de que estava sendo seguido por dois homens e uma mulher, que o alcançaram na esquina com a rua Aldama. Reconheceu as pessoas como Ernesto Sánchez Jiménez, Humberto Montaño Sánchez y Teresa Terán Vega, esta última secretária de Economia da Prefeitura de Juchitán. Eles o detiveram e o ameaçaram de morte e relataram que o viram indo ao mercado levar sua esposa para vender pescado e que eles era quem mandavam em Juchitán.

Em 21 de janeiro, por volta do meio dia, quando o companheiro Eduardo Toledo apresentava sua denúncia ao Ministério Público de Juchitán, as mesmas pessoas acompanhadas de outras 15 o ameaçaram de morte novamente, assim como os demais membros da autoridade comunitária que se encontravam ali. Disseram que não os deixariam sair e os companheiros tiveram que sair escoltados pela polícia estatal para evitar que fossem feridos ou que houvesse algum enfrentamento.

INFORMAÇÃO ADICIONAL

Nós, campesinos, pescadores, jovens, e mulheres indígenas Zapoteco, iniciamos a defesa de nosso território, nosso espaço vital, em novembro de 2012, quando o consórcio “Mareña Renovables” tentou nos expulsar da lagoa superior com o objetivo de instalar um parque eólico em cumplicidade com os distintos níveis de governo e os líderes dos partidos políticos PRI, PRD, PT, PAN e COCEI. Isso foi se transformando na certeza de que somente como um povo organizado e em coletividade podemos nos proteger e decidir nosso destino.

A primeira decisão foi formar nossa polícia comunitária. Depois em Assembleia Geral decidimos nomear nosso Conselho de Anciãos e Anciãs e firmar o acordo de recuperar nossa Assembleia Geral de cidadãos como a autoridade máxima da nossa comunidade indígena. Foi assim que chegamos a 8/12/2013, quando elegemos nossas autoridades comunitárias, que tomaram posse em uma cerimônia liderada pelo Conselho de Anciãos e Anciãs, em 1º de janeiro de 2014.

Mesmo assim, em 14 de janeiro de 2014, solicitamos a SEGEGO o credenciamento dos cargos eleitos por nossa autoridade máxima, a Assembleia Geral.

EXIGIMOS:

Que se realize uma investigação exaustiva da agressão sofrida pelo companheiro Eduardo Toledo Orozco e que os culpados respondam pelas agressões;

Que a Prefeitura de Juchitán, presidida por Saúl Vicente Vázquez, respeite a decisão do povo indígena de Álvaro Obregón de exercer sua autodeterminação consagrada em leis nacionais e tratados internacionais;

Que a Secretaria General de Governo entregue as credenciais correspondentes às autoridades comunitárias de Álvaro Obregón.

ATENTAMENTE

ASSEMBLEIA GERAL DO POVO BINNIZA DE ALVARO OBREGON, ASSEMBLEIA DO POVO IKOJTS DE SAN DIONISIO DEL MAR, ASSEMBLEIA DE COMUNEIROS DE SANTA MARIA XADANI, ASSEMBLEIA DE COMUNEIROS DE UNIÓN HIDALGO, COMUNEIROS DE SAN MATEO DEL MAR, COMITÊ DE RESISTÊNCIA DE UNIÓN HIDALGO, MOVIMIENTO DE RESISTENCIA DE SANTA MARIA XADANI.

ASSEMBLEIA DOS PUEBLOS INDIGENAS DO ISTMO EM DEFESA DA TERRA E DO TERRITORIO

MUJERES CHARIS

asamblea-pueblos-istmo

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: